quinta-feira, 12 de setembro de 2013

O Brasil e o Mundo em 2001: 11 de setembro, o dia em que o mundo nunca mais foi o mesmo

O Blog Contando a História chega a 2001, um ano que mudaria a história do mundo, afinal foi ano do maior atentado terrrorista da história.









Aquela terça feira, 11 de setembro começava normal como qualquer dia em Manhattan, mas às 8:46 (9:46 de Brasília) a história começava a ser escrita com cargas dramáticas quando de repente um Boeing 747 da American Airlines teve sua rota desviada quando sequestradores tomaram a aeronave com destino a Torre Norte do World Trade Center. Pânico nas ruas. O que seria inimaginável aconteceu: a sequência de acontecimentos que nenhum roteirista de Hollywood imaginou. Dezoito minutos depois um segundo avião sequestrado atinge a Torre Sul do WTC. Estava consumado o maior atentado terrorista da história. Uma hora depois um terceiro avião atingiu o Pentágono, base militar americana e ainda teve um quarto avião que caiu em uma área abandonada na Pensilvânia. Saldo da carnificina: mais de 3 mil mortos e dois inimigos vindos do Islã: Osama Bin Laden e a rede al Qaeda.

A partir de então os americanos foram à caça de seus inimigos. O alvo era o Afeganistão, onde Bin Laden estava escondido com a ajuda do regime talibã. Ao mesmo tempo começaram a vir novos tipos de ataques, desta vez de antraz. Em 7 de dezembro o regime talibã cai no Afeganistão, mas Bin Laden volta a se esconder até ser encontrado e morto em maio de 2011.





Enquanto o mundo enfrentava a guerra ao terror, a Argentina entrava em bancarrota. Diante da onda de saques e quebra quebra o governo decreta o estado de sítio. Fernando de La Rúa renuncia em 19 de dezembro, dias antes do Natal é decretada moratória e somente em 2002 a crise é controlada.







No Brasil, 2001 foi um ano conturbado mais uma vez na política. O escândalo da violação do painel do Senado derrubou os senadores ACM e José Roberto Arruda. Eles foram acusados de violar a votação secreta que cassou o mandato de Luiz Estevão em junho de 2000 e os dois acabaram renunciando para evitar a cassação. Outro senador que passou maus lençóis foi Jader Barbalho, acusado de desviar dinheiro dos cofres da SUDAM. Os três conseguiram voltar via voto nas eleições de 2002.



O Brasil de 2001 foi apresentado ao PCC, sigla de Primeiro Comando da Capital. A facção criada nos presídios de São Paulo mostra sua força ao liderar uma série de rebeliões em 25 penitenciárias. Em novembro mais de 100 presos fogem do presídio do Carandiru.





O cantor Herbert Vianna, líder dos Paralamas do Sucesso sofre um acidente de ultraleve onde morre a sua esposa Lucy. Ele conseguiu sobreviver, mas perdeu o movimento das pernas ficando paraplégico. Um ano depois recupera a memória e volta a cantar com os Paralamas.



Um símbolo da aviação pede concordata. A Transbrasil fica sem dinheiro para a compra de combustível e encerra suas atividades tendo todos os seus voos suspensos. A companhia era uma das 3 maiores do país.



A Plataforma P36 da Petrobras sofre três explosões matando 11 trabalhadores. Foi a maior tragédia da exploração de petróleo do país.

O boato da doença da vaca louca faz com que a carne brasileira seja proibida de ser exportada pelos Estados Unidos e Canadá.









Um ano inesquecível na vida de Silvio Santos. O Homem do Baú teve um ano tão intenso que começou sendo tema da escola de samba Tradição no carnaval carioca, depois enfrentou um drama quando sua filha Patrícia Abravanel foi sequestrada e sete dias depois libertada do cativeiro. Na manhã de 30 de agosto o algoz Fernando Dutra Pinto invade a casa de Silvio e o mantém refém por sete horas. O Brasil acompanhou com atenção ao drama que terminou bem. Pra terminar o ano o SBT lança com surpresa o reality Casa dos Artistas que derrubou a audiência do Fantástico no dia 16 de dezembro, dia da final onde Bárbara Paz foi a campeã. Foi também o último grande momento da emissora.



O país entra no racionamento devido ao pacote de medidas do governo. O apagão foi evitado pois o brasileiro aprendeu a economizar energia e evitou o desastre.





Apagão na seleção. Um ano horrível para a amarelinha com derrotas para adversários inexpressivos como Equador, Austrália, Bolívia e até para Honduras. A classificação pra Copa ficou seriamente ameaçada, mas no fim alívio com a sofrida vitória frente à Venezuela. Depois a sorte começa a sorrir para nosso lado no sorteio da Copa quando caímos num grupo fácil.





Na final das surpresas, o Atlético Paranaense conquista o título brasileiro de 2001 vencendo o São Caetano que chegava de novo na final mas morreria na praia. Liderado por Alex Mineiro, o Furacão igualava o feito do Coritiba que era o único time do Paraná campeão nacional.





No automobilismo um ano negro com a morte do ídolo da NASCAR Dale Earnhardt em Daytona e pelo acidente que acabou com a carreira de Alex Zanardi. O piloto foi colhido pelo carro de Alex Tagliani durante a corrida da CART na Alemanha. Zanardi teve as duas pernas amputadas, posteriormente se tornou atleta paralímpico e na paralimpíada de Londres conquistou duas medalhas de ouro.







Hélio Castroneves se torna o segundo brasileiro a ganhar as 500 milhas de Indianápolis. Ele ganharia mais duas em 2002 e 2009. Gil de Ferran se torna bicampeão da CART e no fim do ano se muda junto de Helinho e a Penske para a rival IRL.





Gustavo Kuerten fica 43 semanas como líder do ranking e conquista pela terceira vez o Torneio de Roland Garros, mas a partir da segunda metade do ano inicia uma má fase que acabaria com a perda do topo para o australiano Lleyton Hewitt.















Um ano pesado em matéria de perdas: Em 2001 nos despedimos de Mário Covas, um dos maiores políticos brasileiros que honrou seus mandatos com ética e coragem, de Jorge Amado, o escritor que levou as coisas da Bahia para o mundo, de George Harrison, a alma dos Beatles, da cantora Cássia Eller que estava vivendo seu melhor momento na carreira, do bicampeão olímpico Adhemar Ferreira da Silva, do bicampeão mundial de futebol Didi, do músico Marcelo Fromer, atropelado por um motoqueiro desgovernado, do geógrafo Milton Santos, do jornalista Evandro Carlos de Andrade, que dirigiu o jornal O Globo e era diretor de jornalismo da Rede Globo, do diretor Walter Avancini e do economista Roberto Campos.

Em breve os fatos que marcaram 2002.

3 comentários:

  1. O 11 de setembro para a maioria das pessoas ficará marcado para sempre como o dia em que o Terceiro Milênio começou de vez. Jamais imaginei ver aquelas cenas de horror que vi.

    ResponderExcluir
  2. https://cesarmangolin.wordpress.com/2015/09/11/11-de-setembro-de-2001-nao-foi-o-maior-atentado-da-historia/

    ResponderExcluir
  3. https://cesarmangolin.wordpress.com/2015/09/11/11-de-setembro-de-2001-nao-foi-o-maior-atentado-da-historia/

    ResponderExcluir